0
0
0
0
0
0
0
ou copiar o link

Prof. Dr. Ari Zekcer

DR. Ari Zekcer - Zekcesports Medicne“Com 25 anos de experiência em cirurgia de joelho e traumatologia e traumatologia desportiva o Prof. Dr. Ari Zekcer traz uma grande experiencia . Em constante atualização em cursos e congressos pelo mundo para utilizar o que há de ponta no mundo para benefício de seus pacientes. Como referencia em cirurgia do joelho no Brasil, vários médicos vem realizar estágios com o Prof. Dr. Ari Zekcer durante o ano.”

Pacientes de várias partes do Brasil vem à clínica para a orientação quanto à prevenção e tratamento das diversas lesões ocasionadas durante a prática esportiva como maratonistas, jogadores de futebol , voley, basket, tênis, natação, musculação, ski, surf, wakeboard e etc…

Realizamos 300 cirurgias ao ano para tratamento de lesões traumato-ortopédicas e em especial cirurgias para reparação de lesões nos joelhos como lesões nos meniscos, ligamentos cruzados anterior e posterior, osteotomias da tíbia e fêmur e artroplastias (próteses) do joelho.

Utilização de células tronco na reconstrução da cartilagem do joelho

O uso de células tronco para tratar diversas enfermidades tem mostrado resultados animadores. Doenças cardíacas e neurológicas estão sendo tratadas com utilização de células tronco mostrando resultados positivos e agora, pela primeira vez na América Latina, utiliza-se na reconstrução da cartilagem do joelho.

As células tronco são chamadas de células totipotentes por terem a característica de se diferenciar em vários tipos de tecido como ossos, músculos, tendões e cartilagens. Temos estas células em nosso organismo no início de nossa formação, logo após a fecundação e mantemos estas células até a idade adulta. A diferença é que quanto mais jovem a célula, maior seu potencial de diferenciação.

O primeiro transplante de medula com células tronco no homem foi realizado na década de 60, e em 2002 descobriu-se que as células da medula óssea do adulto também poderiam se transformar em vários tecidos do corpo humano, assim como as embrionárias (células no período de formação do corpo intra-útero).

Experimentos em coelhos feitos em 1994 e cirurgias realizadas com sucesso em humanos a partir de 2000, no Japão, serviram de base científica para realizarmos o primeiro caso de utilização de células tronco na reparação da cartilagem do joelho. Um paciente de 18 anos com uma grande lesão da cartilagem do joelho, ocasionada no período de adolescência em decorrência de uma patologia chamada osteocondrite dissecante, foi submetido à reconstrução da lesão com uma cultura de células mesenquimais (um tipo de célula tronco).

O paciente foi submetido à coleta de células da medula do osso da bacia com anestesia local, sendo as mesmas multiplicadas em laboratório até atingir o número de células necessário. Quatro semanas após a coleta, as células agora em número maior foram inseridas cirurgicamente no joelho do paciente. Esta técnica tem a vantagem de não ter risco de rejeição, uma vez que as células colhidas são do próprio paciente. Se os resultados foram como o esperado, abrir-se-ão novas perspectivas para as grandes lesões das cartilagens. Especialmente as dos joelhos.

Hospital São Luiz realiza transplante de Menisco

Pela primeira vez no Brasil cirurgia é realizada em uma instituição privada. Apenas quatro procedimentos como este já foram realizados no País.

O Hospital São Luiz realizou no último dia 27 de julho o primeiro transplante de menisco feito em um hospital privado no Brasil. A técnica, ainda pouco difundida no País, foi realizada em apenas quatro casos, todos em hospitais-escola.

O transplante é realizado por vídeoartroscopia do joelho, procedimento minimamente invasivo, que dura cerca de uma hora, sendo que o paciente fica internado apenas um dia. Para a realização da cirurgia, os meniscos são doados juntamente com pequenos blocos ósseos, após exames prévios no doador para identificar doenças passíveis de transmissão, como hepatite e AIDS. Estes meniscos ficam congelados em bancos de tecidos, a uma temperatura de -80º C, e podem ser armazenados por até um ano. A compatibilidade para o transplante é feita apenas pelo tamanho do menisco, que deve ser exatamente igual ao da pessoa receptora, fato este que é verificado pelo médico, quando toma conhecimento de uma possível doação. “Um dos grandes benefícios desta cirurgia é que oferece baixíssimo risco de rejeição, já que se trata de uma célula sem circulação sangüínea. Portanto, o paciente não precisa de nenhuma medicação para rejeição, apenas antibióticos utilizados normalmente em qualquer procedimento cirúrgico”, explica dr. Ari Zekcer, ortopedista do Hospital São Luiz, que realizará o transplante.

Indicações
O transplante de menisco é indicado para pacientes que realizaram meniscectomia prévia (retirada total do menisco), por conseqüência de lesões provocadas, em sua grande maioria, pela prática de esportes (no Brasil, principalmente pelo futebol), que sentem dores no joelho e que tenham menos de 45 anos. Também é necessário que este paciente esteja com a sua cartilagem em boas condições e não tenha desalinhamento do eixo da perna (pernas curvadas para dentro ou para fora) e sem instabilidades ligamentares.

Recuperação
O paciente transplantado de menisco precisa utilizar muletas por seis semanas para evitar a sobrecarga nos joelhos. Em média, seis meses após a cirurgia, já pode voltar às atividades esportivas normais. Transplante de menisco no Brasil
A técnica de transplantar menisco no Brasil ainda é pouco realizada pela falta deste tipo de tecido nos bancos doadores do Brasil. Apenas quatro procedimentos como este foram realizados no País. Desde que o menisco não esteja comprometido por nenhuma lesão, a doação pode ser feita independente da causa da morte do doador.

Paciente
O paciente que receberá o primeiro transplante de menisco no Hospital São Luiz, é homem, tem 32 anos e retirou o menisco há dois anos, por conta de uma lesão provocada pelo futebol. Pela falta do menisco, o paciente sofreu um iniciado desgaste no joelho e passou a sentir muita dor, perfil compatível e exigido para casos de transplante de menisco.

Histórico
O primeiro transplante experimental publicado na literatura médica foi realizado na Alemanha, em 1986, em ovelhas. Em 1988, foram realizados os primeiros transplantes em humanos. Atualmente, estes transplantes já são realizados rotineiramente em alguns centros nos Estados Unidos.